sábado, 10 de dezembro de 2011

Sweet November

É sem dúvida, um dos meus filmes favoritos dentro do género.
Gostei do conceito e a história tocou-me. Sim, não tenho problemas em admitir que no final vieram-me as lágrimas aos olhos. Mas também confesso que sou de lágrima fácil em tudo o que diga respeito a histórias de amor... ou não fosse eu sensível (mas muito macho!)
Agradou-me sobretudo o conceito de alguém, que sabendo que o fim está próximo devido à sua doença, procura durante um espaço limitado de tempo, ajudar uma outra pessoa (pela qual acaba por se apaixonar) que só vê à sua frente os aspectos mais materiais da vida em que as prioridades são a carreira e sucesso profissional e que por esse motivo precisa de ser desperto para o essencial - que é o amor e as relações humanas - dedicando-lhe para isso um mês da sua vida, sweet November.
Talvez por isso (e não só, também o meu lado altruísta), quando termina uma história de amor minha (entenda-se, quando um relacionamento meu acaba por não dar certo e chega ao fim ), de certa forma, gosto de me identificar com a personagem do filme, no sentido em que, com vista a ultrapassar o final da relação, conforta-me imaginar que talvez tenha sido o destino que assim o quis e o objectivo era por ventura, preencher uma lacuna, ajudar, apoiar, escrever uma página bonita de amor, completar uma etapa na vida da outra pessoa... e que esse objectivo foi então cumprido. E que passada mais esta história de amor, devo guardar os momentos bonitos que vivemos juntos, aprender com os negativos e esperar que surja a próxima personagem. De preferência que seja a última e com um final feliz!

5 comentários :

  1. O filme é, sem dúvida, uma bonita história. Mas a (na) vida é tão diferente...

    ResponderEliminar
  2. HP, o filme sobretudo retrata uma situação pouco usual (a de alguém com uma doença terminal que ainda vai à procura do amor e tenta transmitir a sua alegria pela vida). É difícil comparar com a realidade, porque ninguém escolhe apenas um mês para dedicar e ajudar alguém... mas podem-se estabelecer certas analogias...
    Concordo, é sem dúvida uma história bonita! :)

    ResponderEliminar
  3. Um dos meus filmes preferidos. Aliás antes deste só mesmo A Cidade dos Anjos. :-)

    ResponderEliminar
  4. Apesar de gostar de filmes românticos, não gostei deste. A permissa é interessante mas tem tantos clichés e tantas cenas previsíveis para que fosse uma experiência agradável de ver para mim.

    ResponderEliminar

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...